quarta-feira, 21 de junho de 2017

Redes Sociais: Degradação das Relações Sociais


“Temo um dia em que a tecnologia se sobreponha à humanidade, então o mundo terá uma geração de idiotas”. Assim iniciamos mais uma reflexão sobre mais uma fragilidade da vida, com essa frase atribuída ao físico Albert Einstein, que, embora nunca provada a sua autoria, sabemos da aproximação com seu ponto de vista sobre a tecnologia e globalização, porém trocaremos a palavra “idiotas” pela “alienados”.
O que é relacionamento? Levamos em consideração, em princípio, o aspecto geral do contato humano, há uma grande diferença entre conhecer alguém e relacionar-se com este alguém, o conhecimento está baseado somente na visão, vemos alguém todos os dias e isso não significa que temos um vínculo ou nos relacionamos, a aproximação é marcada por um conjunto de sentidos compartilhados tais como ouvir o outro, vê-lo, observar expressões faciais e ler atitudes e comportamentos, esta aproximação está totalmente vinculada ao relacionamento, que é ligar-se, travar conhecimentos e arrolar-se com alguém de algum modo, e não há como exercer todas essas características fugaz senão de forma real, não virtual, pois estaremos forçando algo que é basicamente natural, estaremos, de fato, criando uma virtualidade triste e frustrante.
Outro conceito importante é o de amizade, algo que iremos enfatizar neste ensaio. O que é amizade? Eis aqui mais um conceito polissêmico, porém, entre outros, sempre há pontos comuns, como por exemplo, uma relação que traduz grande afetividade, estima, benevolência e bondade. Sendo assim: será se você tem a quantidade de amigo que imagina ter? A importância de saber distinguir conhecidos de amigos está aqui, justamente, como já explica Freud, que a seletividade é necessária para ter uma vida sensível e melhor, pois o caráter se vincula a isso, não que ser conhecido ou colega de alguém seja algo inútil, mas sim pela necessidade de saber o que é importante ou não você revelar de sua vida e se privar do mal-estar das decepções e desilusões, isso porque as redes sociais são prejudiciais para o psicológico em vários sentidos, inclusive por demonstrar uma realidade social perfeita e feliz no que se diz respeito à vida dos outros, registrando momentos felizes que não expressam realmente a realidade transcorrida. Dessa forma, o que é importante e para quem é importante a sua vida e seus compartilhamentos? Para conhecidos, que geralmente só estão ali por curiosidade e para saber de sua vida e depois comentar ou julgar pejorativamente com outras pessoas? É realmente importante demonstrar ser o que não é (narcisismo da ostentação)? Se aquelas pessoas são amigos, não deveriam saber a realidade de sua personalidade e vida? Por que compartilhar imagens sem nenhum motivo com conhecidos, ou até mesmo desconhecidos, somente para massagear o ego através de pessoas e elogios padrões? Um momento isso será esquecido e novas busca de autoestima e afirmação da existência surge.
As redes sociais vieram implantar a alienação por uma ilusão onde não existe a solidão, de publicidade da intimidade e da triste vida de pessoas que veem “perfis” de outros e se questionam o porquê da vida ser injusta. Tudo começa com uma solicitação de amizade e já tão facilmente temos outro “amigo”. As praças estão menos povoadas, e quando povoadas estão iluminando o céu com telas acesas e cabeças vidradas para coisas sem nenhuma importância, para a ascensão de um narcisismo prejudicial e para a persistência do consumismo e da fragilidade das relações, o equilíbrio entre a realidade e a virtualidade não existe mais.
Seguidores, amigos e contatos, tudo isso passa a ser numérico e não significar mais nada, tornando pessoas apenas objetos: “segue de volta!”, “Amei” sem amar, “Hahahaha” triste, “Uau” sem ser impressionante, curti, mas não gostei, mas sou seu amigo e estou aqui para te dar mais números, ou sou seu amigo, mas não vou curtir, pois não quero existir aqui, só quero olhar sua vida, ou visualizar e não responder por falsas normas sociais, mas e se eu te vir pessoalmente e não falar contigo? Que existência insensível é essa que estamos construindo? Deveríamos mesmo era reagir a tudo com tristeza, todas as coisas sem sentido, porque é triste fazer algo sem sentido algum, é tornar a vida, em partes, banal e desprezível. O cristianismo expressa bem esta ideia, seu líder amava a todos, porém nem todos eram seus amigos, tal que ele tinha apenas doze seguidores e onze amigos, pois um deles o traiu, mesmo que hoje ele tenha em demasiado, mas isso é apenas um exemplo de que amizade é rara, é ouro e não areia, é impossível ter tantos amigos!
Zigmunt Bauman, sociólogo polonês, que é muito conhecido pela ideia de modernidade liquida, que ao se referir às relações diz que o pensamento das pessoas, diante do consumismo da contemporaneidade, transmite a ideia de que tudo é descartável, inclusive as próprias pessoas, que passam a serem objetos, por isso que para ele, na atualidade nós não nos relacionamos e sim nos CONECTAMOS, genialmente plausível esta análise, pois a conectividade torna o vínculo entre as pessoas mais frágeis e mais líquidos, com prazo de validade, por isso vemos muito esta ligação de pessoas com suas redes sociais serem tão inseparáveis, os status expressam o ânimo, as fotos de perfis e cada compartilhamento e publicação fica mais explicita o estado emocional de um indivíduo. Assista ao seguinte vídeo do sociólogo sobre amizade e redes sociais:

Portanto, é uma atitude filosófica imprescindível a formulação de indagações sobre seu circulo de vida, tais como quem realmente é tão importante para você que merece saber sobre sua personalidade e sua intimidade? Quem realmente é seu amigo? Pois as redes sociais é um ambiente totalmente ilusório e alienante, que te prega uma falsa realidade que te causará angustia, decepção e inconsciente baixa autoestima, mas o problema não é acessar as redes sociais, senão o fato de viver somente dela e trazer uma realidade a qual não vive para ela. É a ponderação de valores, atitude racional e filosófica, consciência ética e moral que te fará acordar desta ilusão, saber ser verdadeiro e seletivo, dando substancia ao que realmente merece a relevância. Para finalizar, assistas ao vídeo do Filósofo e Professor Mario Sergio Cortella sobre o tema:

2 comentários:

  1. Muito bom Yago. Essa temática me envolve de tal forma, que me faz refletir todos os dias, sobre a superficialidade das águas rasas que hoje conectam as pessoas que dizem/pensam estar se relacionando com outrem. Fica cada vez mais complicado, sobreviver na atualidade sem nenhuma sequela na alma e no pensamento. Tenho pena das gerações futuras, já que a nossa chegou neste triste estágio...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sinto pena dessa nova geração! Mas que tenhamos esperança que sempre surjam intelectuais ativos que contrariem esta ilusão, embora muito difícil de lidar.

      Excluir